30 de novembro de 2007

LULA À DAVOS

Artigo publicado em fevereiro de 2003 no sítio Le Quebecois Libre, que eu recomendo a todo liberal: clássico, libertário, anarco-liberal.... Os textos são em geral escritos em francês. Link neste blog. par Marc Grunert « Sociologue et collaborateur du Monde diplomatique, Emir Sader s'est ainsi récemment fait, dans une lettre ouverte, le porte-parole de leur désarroi. "Lula ne doit pas aller à ce banquet des responsables de la misère du monde; il ne doit pas apporter son prestige à cette fête de banquiers responsables de politiques qui engendrent la faim en Afrique et en Asie, en Amérique latine et ici même au Brésil. Lula, clame-t-il, ne peut se trouver de l'autre côté de la barricade." »(1) Leçon de politique appliquée Ignacio Lula da Silva écoutera-t-il la vulgate marxiste du Monde diplomatique ou bien apparaîtra-t-il sous les traits d’un homme d’État socialiste, goûtant au faste et aux honneurs qu’ouvre l’admission à la confrérie des hommes de l’État? Les hommes de l’État forment une classe caractérisée par un intérêt commun: le pouvoir et l’exploitation des autres. Bien entendu, des conflits d’intérêt peuvent surgir lorsqu’il s’agit de se redistribuer le gâteau, mais, allez!, les hommes de l’État qui, de Davos à Porto Alegre, gèrent notre vie depuis notre appartement jusqu’à la planète entière, ces hommes sauront toujours marchander entre eux de quoi vivre richement en exploitant leurs citoyens. Eh bien la loi de la classe politique s’est appliquée, vérifiant ainsi mes propos. Lula est allé à Davos. Il est allé tenir sa place auprès des prédateurs et, prédateur lui-même, a réclamé des subventions et des droits spéciaux. « À ce sujet, reprenant la croisade contre la misère qu'il a lancée dans son pays sous l'appellation de "faim zéro", Lula a suggéré à Davos la création d'un Fonds international contre la faim et la pauvreté qui serait alimenté par les pays riches du G8 et par des investisseurs internationaux. »(2) Un Fonds international est un des rouages que les marxistes utilisent pour réaliser et propager l’idée du socialisme planétaire.

L'UNESCO: MACHIAVEL PÉDAGOGUE

par Marc Grunert Après 18 ans d'absence, les États-Unis réintègrent l'UNESCO(1). La décision de rejoindre cet organe de l'État mondial a été motivée par la conviction du président George W. Bush selon laquelle « cette organisation a été réformée ». Ainsi « l'Amérique participera pleinement à sa mission pour le progrès en faveur des droits de l'homme, de la tolérance, de l'éducation. » Pour mémoire, c'est Ronald Reagan qui avait pris la judicieuse décision de retirer les États-Unis de cette organisation tant il était devenu évident qu'elle s'était pervertie en instrument de propagande anti-américaine et anticapitaliste. Les États-Unis, qui subventionnaient l'UNESCO à raison du quart de son budget, n'avaient en effet aucune raison de continuer à nourrir leurs ennemis. C'était alors la guerre froide et nous savons à quel point les organisations internationales ont été, et sont encore, noyautées par les crypto-communistes (voir à ce sujet mon article LE FASCISME ÉCOLOGIQUE ET L'ÉTAT MONDIAL EN DEVENIR, le QL, no 102).
Ler artigo na íntegra:

http://www.quebecoislibre.org/021109-3.htm#gru2

CARGO - Cargo

Espetacular grupo holandês do início dos anos 70, hard rock com uma profusão de guitarras à la Wishbone Ash e uma veia melódica que lembra muito os Beatles dos últimos discos. As faixas, algumas bonus, compreendem gravações de 70-72. Altamente recomendado

29 de novembro de 2007

A educação brasileira só pisa na bola.

Eis o resultado da doutrinação esquerdista nas escolas brasileiras e a conseqüente demonização do capitalismo: PISA 2000: Brasil ficou em último lugar entre 43 países PISA 2003: Brasil ficou em penúltimo lugar entre 40 países PISA 2006: Brasil em 52o lugar entre 57 países Mean score Standard error OECD countries All countries/economies Upper Rank Lower Rank Upper Rank Lower Rank Finland 563 (2.0) 1 1 1 1 Hong Kong-China 542 (2.5) 2 2 Canada 534 (2.0) 2 3 3 6 Chinese Taipei 532 (3.6) 3 8 Estonia 531 (2.5) 3 8 Japan 531 (3.4) 2 5 3 9 New Zealand 530 (2.7) 2 5 3 9 Australia 527 (2.3) 4 7 5 10 Netherlands 525 (2.7) 4 7 6 11 Liechtenstein 522 (4.1) 6 14 Korea 522 (3.4) 5 9 7 13 Slovenia 519 (1.1) 10 13 Germany 516 (3.8) 7 13 10 19 United Kingdom 515 (2.3) 8 12 12 18 Czech Republic 513 (3.5) 8 14 12 20 Switzerland 512 (3.2) 8 14 13 20 Macao-China 511 (1.1) 15 20 Austria 511 (3.9) 8 15 12 21 Belgium 510 (2.5) 9 14 14 20 Ireland 508 (3.2) 10 16 15 22 Hungary 504 (2.7) 13 17 19 23 Sweden 503 (2.4) 14 17 20 23 Poland 498 (2.3) 16 19 22 26 Denmark 496 (3.1) 16 21 22 28 France 495 (3.4) 16 21 22 29 Croatia 493 (2.4) 23 30 Iceland 491 (1.6) 19 23 25 31 Latvia 490 (3.0) 25 34 United States 489 (4.2) 18 25 24 35 Slovak Republic 488 (2.6) 20 25 26 34 Spain 488 (2.6) 20 25 26 34 Lithuania 488 (2.8) 26 34 Norway 487 (3.1) 20 25 27 35 Luxembourg 486 (1.1) 22 25 30 34 Russian Federation 479 (3.7) 33 38 Italy 475 (2.0) 26 28 35 38 Portugal 474 (3.0) 26 28 35 38 Greece 473 (3.2) 26 28 35 38 Israel 454 (3.7) 39 39 Chile 438 (4.3) 40 42 Serbia 436 (3.0) 40 42 Bulgaria 434 (6.1) 40 44 Uruguay 428 (2.7) 42 45 Turkey 424 (3.8) 29 29 43 47 Jordan 422 (2.8) 43 47 Thailand 421 (2.1) 44 47 Romania 418 (4.2) 44 48 Montenegro 412 (1.1) 47 49 Mexico 410 (2.7) 30 30 48 49 Indonesia 393 (5.7) 50 54 Argentina 391 (6.1) 50 55 Brazil 390 (2.8) 50 54 Colombia 388 (3.4) 50 55 Tunisia 386 (3.0) 52 55 Azerbaijan 382 (2.8) 53 55 Qatar 349 (0.9) 56 56 Kyrgyzstan 322 (2.9) 57 57 Statistically significantly above the OECD average Not statistically significantly different from the OECD average Statistically significantly below the OECD average Obs: A pontuação do Brasil em 2003 foi a mesma de 2006, ou seja, 390 pontos, que fica abaixo do minimamente satisfatório (400 pontos)

Informações sobre o PISA:
"Programa Internacional de Avaliação de Alunos – PISA
O PISA é um programa internacional de avaliação comparada, cuja principal finalidade é produzir indicadores sobre a efetividade dos sistemas educacionais, avaliando o desempenho de alunos na faixa dos 15 anos, idade em que se pressupõe o término da escolaridade básica obrigatória na maioria dos países. Esse programa é desenvolvido e coordenado internacionalmente pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), havendo em cada país participante uma coordenação nacional. No Brasil, o PISA é coordenado pelo Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais “Anísio Teixeira”. As avaliações do PISA incluem cadernos de prova e questionários e acontecem a cada três anos, com ênfases distintas em três áreas: Leitura, Matemática e Ciências. Em cada edição, o foco recai principalmente sobre uma dessas áreas. Em 2000, o foco era na Leitura: em 2003, a área principal foi a Matemática; em 2006, a avaliação terá ênfase em Ciências. Alguns elementos avaliados pelo PISA, como o domínio de conhecimentos científicos básicos, fazem parte do currículo das escolas, porém o PISA pretende ir além desse conhecimento escolar, examinando a capacidade dos alunos de analisar, raciocinar e refletir ativamente sobre seus conhecimentos e experiências, enfocando competências que serão relevantes para suas vidas futuras. Em 2003, participaram do PISA 250 mil adolescentes com 15 anos de idade em 41 países, sendo 30 deles membros da OCDE e os demais, convidados. Da América Latina, participaram Brasil, Uruguai e México. Em 2006, o Brasil participará pela terceira vez do programa, junto com mais cinco países latino-americanos: Argentina, Chile e Colômbia, além de Uruguai e México."
Home page do PISA
Alguns comentários sobre os resultados do PISA:
IPAE
Reinaldo de Azevedo: "Educação no Brasil: na rabeira do mundo"

25 de novembro de 2007

97% dizem acreditar totalmente na existência de deus; 75% acreditam no diabo

Resta saber em que acreditam os demais 3%. E aí, ateus e agnósticos, em que vocês acreditam? Pelo menos, Sottomayor e acólitos acreditam piamente em que esses 97% de brasileiros são um bando de tolos preconceituosos ou então intolerantes fingidos, e isso na hipótese de que eles não ponham em suspeição o Datafolha. Quando indagados sobre a existência de Deus, 97% dos brasileiros afirmam acreditar totalmente; 2% dizem ter dúvidas e 1% não acreditam. Mesmo entre os que não têm religião, 81% acreditam que Deus existe. A crença na existência do Diabo é menor, embora também seja compartilhada pela maioria: 75% acreditam totalmente, 9% têm dúvidas e 15% não acreditam que ele exista. Entre os evangélicos pentecostais a taxa dos que acreditam no Diabo chega a 95%. Já entre os espíritas, a taxa dos que não acreditam (50%) supera a dos que acreditam (44%). A maioria dos brasileiros também acredita totalmente que Jesus ressuscitou após morrer na cruz (93%), que o Espírito Santo existe (92%), na ocorrência de milagres (87%), que Maria deu a luz a Jesus, apesar de virgem (86%), que Jesus voltará à Terra no final dos tempos (77%), que a hóstia é o corpo de Jesus (65%), que após a morte, algumas pessoas vão para o céu (64%) ou para o inferno (58%), que existe vida após a morte (60%) e que existem santos (57%). A maior parte dos brasileiros (44%) não acredita em reencarnação; 37% acreditam totalmente e 18% têm dúvidas.

O diabo é o pai do rock: ao inferno com a música de protesto, seja lá contra (ou em defesa do) que.

Considerada pioneira do heavy metal cristão, Stryper apenas dá pro gasto, perdendo feio, por exemplo, para o tonto do King Diamond e até pros expoentes "mais destacados" do tal black metal, como o tosco Venon ou o inaudível Bathory, ótimos, pelo menos, para vc. se livrar de adventistas que batem a sua porta. E pensar que há pessoas que levam a sério essas efusões de rebeldia adolescente (Hitler e Stalin já foram garotinhos de calças curtas) ou que exigem que a música desempenhe um papel na vida maior que a própria vida ou, ainda, que pensam que arte, religião, ciência e filosofia estejam a serviço de causas assumidas a partir de vagos e, por vezes, contraditórios ideais políticos, cujas conseqüências práticas em geral nos escapam e cuja realização pode deixar este "vale de lágrimas" muito pior do que já é. É nisso que resulta a reificação de crenças, ou da falta delas, reduzindo-as a uma insana causa política, a ser defendida ou atacada conforme a loucura do momento. Eu não sei se Deus existe ou não existe. De uma coisa, porém, tenho certeza (teoricamente falando), esse conhecimento é humanamente impossível( Isso seria facilmente rotulado de agnosticismo, mas rótulos também não provam nada, além de gerar confusão conceitual), quem quiser possuí-lo que perca tempo por sua própria conta e risco, o que não é pretexto, no entanto, para se proibir a especulação metafísica ou acusá-la de irracionalidade. E em tal certeza (agora, numa perspectiva moral) se funda a minha fé: eu desejo ardentemente que Ele exista, o que, embora não altere em nada a realidade das coisas, me faz um bem incrível, que é me coagir a vivenciar a fé no seu devido e sagrado lugar: o fórum intimo de minha consciência, deixando aos que se dizem ateus, agnósticos e até cristãos (sejam católicos sejam protestantes), se assim preferirem, a batalha política pela conquista e difusão das "verdades" mais quentinhas do momento. "É o destino habitual das novas verdades começar como heresias e terminar como superstições." Thomas Henry Huxley, o "buldogue" de Charles Darwin e pai do genial Aldous Huxley
Obs.: Se a fé como vivência espiritual e exercício da liberdade interior torna as pessoas que sinceramente a tenham no coração moralmente melhores do que aquelas que não a experienciaram, por qualquer que seja o motivo, é uma questão que, quando me ocorre no intercurso do dia-a-dia e, sobretudo, diante de contendas com meus semelhantes, trato logo de afastar de minha mente, porque isso seria precisamente tratar a fé como coisa e jogá-la no campo das relações sociais para escrutínio jurídico e político: tento me esforçar para não julgar ninguém senão pelos atos que pratica ou que, pelo menos, incita os outros a praticar (e isso ainda se tais atos eu considerar nocivos a minha liberdade), nunca pelo que diz - de bom ou de mal, não importa - se passar em sua alma.
Voltando ao que interessa aqui. Então ninguém pode, sem ser leviano, me acusar de que este blog, que - nunca inoportuno lembrar - é meu, esteja maculado pela falta de deversidade, intolerância e censura despótica. Nas janelinhas para "comentários", o internauta pode se expressar como queira, até me xingar (sugestões: "filho-da-puta", "débil mental", "boiola", "esquerdopata frustrado", "filhote da ditadura", "cuzão", "pseudo-intelectual de merda", "babaca", "analfabeto" etc. etc. etc. Só não valem "direitista" e "conservador retrógrado", porque isso é um elogio que eu não mereço). Quanto à música, repeitando-se o meu corrompido senso estético, há pra quase todos os gostos: Satanistas e cultores das forças abissais (se não se incomodarem em admitir a possibilidade da existência do mal sob a forma personalizada do capeta, também ateus): Mercyful Fate Cristãos: Stryper Esquerdopatas, em especial guevaristas: Nathalie Cordone Metaleiros puristas: Judas Priest Fans de fans de heavy metal: Tenacious D Rockeiros que só curtem "art rock", "progressive music" e afins: Procol harum Trash metal: Megadeth Southern rock: Lynyrd Skynyrd Hard rock setentista: BÖC Rock'n'roll e baladinhas românticas: Elvis Presley Música erudita: Telemann Rock japonês: Mariner Rock do leste europeu: Omega Rock italiano; Osanna Krautrock(que, vejam só, tá sendo praticamente esquecido aqui): Amon Düül II Virtuoses da guitarra que gostam de solar o tempo todo: Yngwie Malmesteen Jazz rock ou quase isso: Camel Pop rock de sintetizador: Alphaville Rock com influência da música eletrônica contemporânea: Kraftwerk Enfim, só tão faltando blues, jazz, mpb e outras vertentes da música popular atual que eu desconheço ou simplesmente detesto. Mas isso se corrige com o tempo. In God We Trust - Stryper, ao vivo em Belo Horizonte

24 de novembro de 2007

Reinaldo Azevedo e o esquerdopata por eles mesmos

Interessante bate-bola entre Reinaldo Azevedo e o típico esquerdopata, revelando, de maneira sucinta, o que exatamente eles são, o padrão básico de pensamento de cada um e, o melhor, como identificar de relance um espécime esquerdopatódeo. Vê-se, muito facilmente, como evitar, sem perder tempo, que esse verme penetre em seu intestino delgado e absorva seu sangue. Eis aí um maravilho procedimento de controle sanitário: simples, barato e elegante: ESQUERDOPATA - Pessoas radicais que dominam bem a palavra, como você, Reinaldo, são um perigo para a sociedade. Uma coisa pode ter certeza, você não tem bom senso. REINALDO AZEVEDO - Você tem razão. Stálin achava o mesmo. Hitler também. Pol Pot idem. Lênin tinha o mesmo juízo. Franco e Salazar concordavam. Mussolini não pensava diferente. Não houve um só humanista na história, como vê, que não endossasse suas palavras.
A humanidade já passou por períodos muito confusos e caóticos em sua história, é natural que a diversidade seja defendida e exaltada nos vestibulares e exames elaborados por órgãos ligados ao governo. Critiquei na prova do Enade justamente a falta de diversidade.
É um grande equívoco associar políticas de esquerda, petismo à diversidade cultural. É como se pessoas inflexíveis, assim como você, estivessem aproveitando os exageros, os absurdos da esquerda, para juntar a ela, que obviamente está se tornando alvo de inúmeras críticas, a ideologia da diversidade cultural. E assim atingem dois coelhos com uma só cajadada. Diversidade cultural, ampla liberdade de expressão, Democracia, estão muito acima dessa rixa de esquerda e direita. Eu também acho. Mas, vê-se, o senhor acredita que a democracia está acima dessa rixa desde que se demonize a direita... Qual é o seu tipo? 1m85, 92 kg (preciso emagrecer), branco, mistura de italiano com indígena. Um vira-lata. Religioso? Católico. Do ritual latino. Direitista pró-ditadura? Contra a ditadura. Apanhei da ditadura. Lula não. Apanharam por ele. Admirador do partido republicano dos EUA? Sim. Tolerância zero? Com o crime? Sim, tolerância zero. Pena de morte? Sou contra a pena de morte. Não dou ao estado a faculdade de tirar a vida de ninguém. Nem a outro homem. E isso inclui os bandidos. Diminuição da maioridade penal? Fim de qualquer idade para punir crimes. O que determina a pena são o crime cometido e suas circunstâncias, não a idade de quem o cometeu. Contra a eutanásia? Absoluta, resoluta e completamente contra a eutanásia. Eu a considero coisa do capeta. Contra pesquisas com células-tronco? Contra a produção de embriões só para serem destruídos pelos pesquisadores. Neoliberal? O neoliberalismo é uma invenção esquerdopata. Só liberal. Sem “neo”. Se quiser, um “arquiliberal”. Homofóbico disfarçado, assumido? Que é isso, santa? Nem disfarçado nem assumido. Cada um dá o que é seu. Não tenho nada com isso. Quer casar de véu e grinalda? Por que não? Mas acho que a Igreja Católica tem o direito de não gostar. Na vida civil, sou favorável a que casais homossexuais adotem crianças, por exemplo. Homossexualidade não é opção, escolha ou influência do meio. É só um comportamento de muitos mamíferos e de algumas aves. Sobre répteis, moluscos etc, nada sei. Fascista? Não. Fascista é o PT. Logo, sou antifascista. Quem são seus ídolos? Não vou nem citar possibilidades aqui... Churchill. Provavelmente são nomes que não devem ser lembrados. Como vê.

A profanação das almas dos ateus por Mercyful Fate: Voces quebraram o juramento

Como ateus não devem acreditar no diabo, recorro ao rei das trevas para, quando estiverem no inferno, lhes dar o tratamento que merecem. Segue, então, uma prévia da trilha sonora, por sinal muito boa, para eles irem se acostumando com a danação eterna. King Diamond, o satanista metálico, amaldiçoa: Desecration of Souls, do album Don`t Break the Oath

23 de novembro de 2007

Gramsci, o parasita do amarelão ideológico

Há algum tempo, não dou uma incrementada neste blog com artigos do Reinaldo Azevedo. Segue, então, um excelente texto sobre a periculosidade epidêmica de Gramsci, o teórico da parasitose - provocada pelas duas espécies de Esquerdopatódeos, a Ancylostoma Debiomentale e o Detractor Americanus - que afeta o intestino delgado das instituições públicas, cuja função digestiva fica comprometida, produzindo-se uma quantidade espetacular de quilo, isto é, praticamente toda a inépcia estatal (evacuada sobre a cara do contribuinte), sem, contudo, prover qualquer nutriente às artérias da sociedade. O veículo de transmissão dessa doença é o intelectual orgânico, em cujas idéias, corrijo-me, fezes, se depositam as larvas da Ancylostoma Debiomentale e do Detractor Americanus, que, por contato, penetram pela epiderme do sistema capitalista, procurando destruir seus fundamentos morais e intelectuais e substituí-los pelo imPTerativo caPTegórico sínodopata.
Nota: A anemia cultural das sociedades infestadas por esquerdopatódeos resulta do fato de estes vermes se alimentarem do sangue. de quem trabalha honestamente e paga seus impostos.
Por Reinaldo Azevedo O moderno esquerdista brasileiro, essa contradição em termos, esse Jeca Tatu com laptop, tem ainda em Antonio Gramsci (1891-1937) a sua principal referência. O comunista italiano é o parasita do amarelão ideológico nativo. Parte da nossa anêmica eficiência na educação, na cultura, no serviço público e até na imprensa se deve a essa ancilostomose democrática. Já viram aquele comercial na TV de um desodorizador de ambiente em que um garoto bem chatinho, com o dedo em riste, escande as sílabas para a sua mamãe: "eu que-ro fa-zer co-cô na ca-sa do Pe-drrri-nho"? Costuma ir ao ar na hora do jantar. Para a esquerda, Gramsci é a "ca-sa do Pe-drrri-nho" da utopia. E, também nesse caso, o odor mitigado não muda a matéria de que é feito.
Leia na íntegra:

21 de novembro de 2007

Nietzsche

Julian Marías
(O presente texto é a tradução para o Português, de uma transcrição de uma conferência proferida por Julián Marías, que, como é de seu estilo, não utiliza texto escrito. Conferência do curso "Os estilos da Filosofia", Madri, 1999/2000 - edição: Jean Lauand. Tradução: Elie Chadarevian )
Interessante, com uma certa anormalidade - tínhamos visto uma certa anormalidade, digamos, genial, nos últimos anos de Comte; também houve uma certa anomalia, não muito grande, en Kierkgaard-; a anomalia em Nietzsche foi muito mais grave. Friedrich Nietzsche nasceu em 1844. Teve uma rápida carreira de filólogo, foi professor de filologia clássica em Basiléia. Depois deixou a cátedra e dedicou-se a escrever; ele tem uma obra filosófica e literária muito importante. Em 1889 perde a razão e vive em estado de loucura -de grave loucura- onze anos: morreu em 1900. Como vêem, é uma vida anormal em muitos sentidos, é uma figura particularmente atraente, que teve um êxito muito grande, um êxito especialmente literário: era um grande escritor. Ele tinha um sentido profundamente arraigado da arte e da literatura. Foi uma figura que exerceu fascinação sobre muitos, em diversos países, muito particularmente na Alemanha, não somente porque era sua língua, mas porque era um grande escritor em língua alemã.
Houve muitas traduções de Nietzsche, nem sempre boas, nem sempre seguras; freqüentemente se tem enfatizado o aspecto mais extremado que tinha a obra de Nietzsche e teve por exemplo uma manifesta tendência à desmesura. Os senhores conhecem a famosa doutrina dos dois conceitos de Nietzsche, das duas tendências: o apolíneo e o dionisíaco. Ele falou longamente disto -evidentemente procede de sua cultura clássica, de seu estudo da língua grega e da literatura grega- e sua obra, em conjunto, oscila entre o que ele chamava apolíneo -ou seja, a medida, o equilíbrio, a serenidade- e o dionisíaco: exaltado, violento, apaixonado.
Leia na íntegra:
ou

20 de novembro de 2007

Sarkozy e o combate à improbidade intelectual dos esquerdopatas franceses

Mais claro e incisivo que isso, impossível. Sarkozy disse tudo, e mais alguma coisa, que um conservador decente tem a obrigação moral de falar sobre essa canalha esquerdopata, composta por Foucaults, Deleuzes, Lacans e outros filosofistas meia-boca que, como traças em biblioteca, reduzem a pó a substância espiritual que dá unidade e força ( para a mover a vontade dos indivíduos ) aos mais altos valores do ocidente civilizado. Por isso, não consigo entender como uma pessoa com um mínimo de escrúpulo, intelectualmente talentosa e não intoxicada pela ideologia comunista ou seu sub-produto, o relativismo moral, mesmo agindo de boa-fé, insiste em travar debate teórico - e ainda assim pisando em ovos - com essa horda de meliantes da cultura, goliardos pedófilos que abusam da liberdade de expressão para praticar impunemente fraude e estelionato intelectuais. Não se dá conta de que, na troca de idéias com tais embusteiros, sai sempre perdendo, proporcionando-lhes, ainda por cima, um prestígio de que eles são absolutamente indignos. Quem ama a verdade, faz jus à sabedoria que generosamente nos foi legada pela tradição; o que significa não dar pérolas aos porcos nem se refastelar em pocilga: com toda polidez de que é capaz, manda solenemente os progressistas à merda.
Vou reabilitar o trabalho ! Derrotamos a frivolidade e a hipocrisia dos intelectuais progressistas. O pensamento único é daquele que sabe tudo e que condena a política enquanto a mesma é praticada. Não vamos permitir a mercantilização de um mundo onde não há lugar para a cultura: desde 1968 não se podia falar da moral. Haviam-nos imposto o relativismo. A idéia de que tudo é igual, o verdadeiro e o falso, o belo e o feio, que o aluno vale tanto quanto o mestre, que não se pode dar notas para não traumatizar o mau estudante. Fizeram-nos crer que a vítima conta menos que o delinqüente. Que a autoridade estava morta, que as boas maneiras haviam terminado. Que não havia nada sagrado, nada admirável. Era o slogan de maio de 68 nas paredes de Sorbone: 'Viver sem obrigações e gozar sem trabalhar'. Quiseram terminar com a escola de excelência e do civismo. Assassinaram os escrúpulos e a ética. Uma esquerda hipócrita que permitia indenizações milionárias aos grandes executivos e o triunfo do predador sobre o empreendedor. Esta esquerda está na política, nos meios de comunicação, na economia. Ela tomou o gosto do poder. A crise da cultura do trabalho é uma crise moral. Vou reabilitar o trabalho. Deixaram sem poder as forças da ordem e criaram uma farsa: 'abriu-se uma fossa entre a polícia e a juventude'. Os vândalos são bons e a polícia é má. Como se a sociedade fosse sempre culpada e o delinqüente, inocente. Defendem os serviços públicos, mas jamais usam o transporte coletivo. Amam tanto a escola pública, e seus filhos estudam em colégios privados. Dizem adorar a periferia e jamais vivem nela. Assinam petições quando se expulsa um invasor de moradia, mas não aceitam que o mesmo se instale em sua casa. Essa esquerda que desde maio de 1968 renunciou o mérito e o esforço, que atiça o ódio contra a família, contra a sociedade e contra a República. Isto não pode ser perpetuado num país como a França e por isso estou aqui. Não podemos inventar impostos para estimular aquele que cobra do Estado sem trabalhar. Quero criar uma cidadania de deveres. “Primeiro os deveres, depois os direitos." Nicolas Sarkozy - presidente da França

19 de novembro de 2007

Proposta abortista leva pau na 13 Conferência Nacional de Saúde

Aborto: governo sofre derrota fragorosa

Por Adriana Fernandes, no Estadão desta segunda: A mobilização bem-sucedida dos setores contrários à interrupção da gravidez, com o apoio explícito da Igreja Católica e da Pastoral da Criança, levou os delegados da 13.ª Conferência Nacional de Saúde a rejeitar ontem a proposta de apoio à legalização total do aborto no País. Os delegados da região Nordeste, que atenderam ao apelo da Igreja, foram fundamentais para a vitória antiaborto.

Oh karaio, Clarice!

18 de novembro de 2007

A batalha final entre Tenacious D e o capeta pela alma do heavy metal(The Pick of Destiny)

Jack Black is Dio and Dio is Jack Black

Breve nos cinemas Pickkkkk of Destinyyyyy TENACIOUS D & BLACK JACK

Jô Soares o fodão

Judas Priest - primeiro vídeo, tv 75 ou 76

Judas Priest - Diamonds and Rust

Procol Harum - Simple Sister

Nektar -cryin in the dark/king of twilight 2

Nektar -cryin in the dark/king of twilight 1

Taz Taylor Band & Graham Bonnet - Eyes of the World

Blackthorne & Graham Bonnet

Taz Taylor Band & Graham Bonnet- Will You Still Love Me

Blue Öyster Cult - Nosferatu

Blue Öyster Cult - Astronomy

17 de novembro de 2007

II SIPESF - Seminário Interno de Pesquisa na Graduação em Filosofia /UESC

LINK -

MARINER - One

Numa postagem antiga, recomendei alguns discos de grupos japoneses da década de setenta, entre os quais o Mariner. Segue, agora, o arquivo do disco One. Hard técnico com o excelente tecladista Murasaki e guitarras estonteantes. Em todas as composições, nota-se a nítida influência do Deep Purple, o que, longe de depor contra a originalidade do Mariner, assinala o que músicos desse quilate entendem por boa música. Imperdível! LINK PARA DOWNLOAD: http://www.savefile.com/files/1202700

15 de novembro de 2007

Margaret Sanger (1879-1966): a nazista que pariu a idéia de eugenia negativa e tem inspirado os movimentos abortistas

Foto da mocréia esquerdopata, fundadora da American Birth Control League, que se transformou depois na Planned Parenthood: http://www.gutenberg.org/dirs/1/6/8/1689/1689.txt

Link acima para o livro The Pivot of Civilization
Atentem para a introdução de Herbert George Wells (1866-1946), da qual segue um pequeno trecho traduzido por mim. Wells foi um bem conhecido socialista, membro da Fabian Society, simpático às idéias de Lenin e um árduo defensor da transformação da sociedade, que seria dirigida por uma casta de cientistas iluminados, em detrimento do "obscurantismo" conservador. Salta aos olhos o quanto ele é entusiasta da racionalidade científica e inimigo da religião cristã, na qual consegue até ver - o texto abaixo é claro - uma doutrina revolucionária e ignorante de sua origem e seus próprios princípios morais. Não haveria, pois, ninguém melhor qualificado que Wells para escrever uma introdução a The Pivot of Civilization:
“Quando percebemos claramente esta possibilidade de as civilizações serem baseadas em diferentes conjuntos de idéias morais e sobre diferentes métodos intelectuais, nós estaremos mais capazes de apreciar o profundo significado do cisma em nossa moderna sociedade, que nos dá, lado a lado, pessoas inteligentes e honestas que consideram o controle de natalidade como algo essencialmente doce, sadio, limpo, desejável e necessário, e outras igualmente honestas e tão boas para reivindicar inteligência que consideram-no não meramente como prejudicial e não razoável, mas como intolerável e abominável. Estamos vivendo não em uma simples e completa civilização, mas em um conflito de ao menos duas civilizações, baseado em idéias fundamentais inteiramente diferentes, perseguindo diferentes métodos e com diferentes objetivos e fins. Chamarei uma destas civilizações de nossa Tradicional ou Autoritária Civilização. Ela repousa sobre a idéia do que é e sobre a idéia do que tem sido. Insiste sobre o respeito aos usos e costumes; desencoraja o criticismo e a investigação. Ela é verdadeiramente antiga e conservadora, ou, indo além da conservação, reacionária. A veemente hostilidade de muitos padres e prelados católicos para com as novas visões sobre a origem do homem e as novas visões sobre questões morais, tem levado muitos descuidados pensadores a identificar esta velha e tradicional civilização com o cristianismo, mas esta identificação ignora o espírito iniciático e fortemente revolucionário que sempre animou o cristianismo, e é inverídica mesmo a respeito das realidades do ensinamento católico ortodoxo. A vitupério de indivíduos católicos não deve ser confundido com as deliberadas doutrinas da Igreja que têm sido, no todo, conspicuamente cautelosa, moderada e sã nestes assuntos. As idéias e práticas da Velha Civilização são mais antigas e mais freqüentes que a cultura cristã ou católica e não são identificáveis com ela, e seria um grande infortúnio se as questões entre a Velha Civilização e a Nova se permitissem deslizar nos profundos sulcos de controvérsias religiosas que são apenas acidental e intermitentemente paralelas. Contrastada com a antiga civilização, com a Tradicional disposição, que aceita instituições e valores morais como se eles fossem uma parte da natureza, temos o que eu possa chamar – com uma evidente inclinação a seu favor – de a civilização da investigação, do conhecimento experimental, Criativa e Progressista Civilização. A primeira grande erupção do espírito desta civilização foi na Grécia republicana; o martírio de Sócrates, o destemido Utopismo de Platão, o ambicioso enciclopedismo de Aristóteles marcam a aurora de uma nova coragem e uma nova e firme intenção nos negócios humanos. O medo de limitações, de restritivas e punitivas leis postas e impostas pela fé sobre a vida humana estava visivelmente desaparecendo na mente humana. Esses nomes marcam a primeira e clara realização que, para uma ampla - e possivelmente ilimitável – extensão, a moral e a vida social do homem e seu destino geral poderiam ser dominados e controlados pelo homem. Mas ele deve ter conhecimento. A Antiga Civilização disse – e ela o diz sempre através de uma multiplicidade de vigorosas vozes e pungentes atos repressivos: ´Deixe o homem aprender seu dever e obedecer`. A Nova Civilização diz, com confiança sempre crescente: ´Deixe o homem conhecer, e confie nele´. " Dois textos interessantíssmos sobre H. G. Wells:
Wells, Hitler and the World State - George Orwell

Mr. H. G. Wells and the Giants ( da obra Heretics) - G. K. Chesterton http://www.cse.dmu.ac.uk/~mward/gkc/books/heretics/ch5.html Link para "Margaret Sanger" Wikipedia: http://en.wikipedia.org/wiki/Margaret_Sanger

Os responsáveis no Brasil pela ideologia infanticida do abortismo

Breve Histórico da BEMFAM ( http://www.bemfam.org.br/) Em novembro de 1965, na XV Jornada Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, profissionais de medicina, de 16 estados brasileiros, participaram de uma mesa redonda sobre Planejamento Familiar. Na época, Dr. Octávio Rodrigues Lima, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, apresentou um trabalho sobre aborto provocado que denunciava a existência de um grave problema médico e social no país. Na apresentação desse trabalho, o planejamento familiar foi apontado como alternativa para minimizar os prejuízos do aborto desassistido à saúde da mulher. Nascia, assim, a Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil, oferecendo à mulher opções mais seguras para evitar a gravidez não planejada. As primeiras clínicas e laboratórios prestavam atendimento diversificado e de alta qualidade, incluindo serviços de orientação para a vida sexual e familiar, atendimento pré-natal, acompanhamento pós-parto, atendimento ginecológico, orientação e educação em planejamento familiar e fornecimento de métodos anticoncepcionais, cientificamente aprovados. Desde 1967, a BEMFAM é filiada à Federação Internacional de Planejamento Familiar (International Planned Parenthood Federation - IPPF). No contexto da Saúde Sexual Reprodutiva, a BEMFAM desenvolveu Programas de Prevenção ás DST/Aids junto a mulheres, homens e adolescentes, bem como à população marginalizada ou socialmente excluída. Diante das necessidades da população a esse tipo de serviços em outras localidades do país onde a BEMFAM não possuía clínicas, em 1973, a Instituição iniciou sua expansão, criando representações estaduais, com equipes responsáveis pela qualidade da cooperação técnica prevista nos convênios de cooperação estabelecidos em cerca de 15 estados brasileiros. Constituída como organização não governamental, sem fins lucrativos, de ação social, a BEMFAM tem registro de Utilidade Pública Federal. Desde de 2001 possui Status Consultivo Especial no Conselho Econômico e Social das Nações Unidas. Sua missão, de defender os direitos reprodutivos no exercício da cidadania e promover a educação e a assistência em saúde sexual e reprodutiva, em colaboração com os órgãos governamentais e setores organizados da sociedade civil, alinha-se às recomendações das Conferências Internacionais sobre População e Desenvolvimento (Cairo, 1994), e sobre a Mulher (Beijing, 1995). Desde então, a BEMFAM estabeleceu estratégias de ação voltadas aos desafios sobre necessidades não satisfeitas em saúde sexual e reprodutiva, fortalecimento do papel da mulher na sociedade, direitos sexuais e reprodutivos dos adolescentes, envolvimento do homem em saúde reprodutiva, qualidade de atenção em serviços e integrou ao Planejamento Familiar atividades de prevenção e trato das DST/Aids. A Instituição foi, também, uma das pioneiras na atenção a violência de gênero, tratando além de casos de violência conjugal, também os de violência sexual por abuso, assédio, estupro, prostituição infantil e juvenil. Sede BEMFAM - Bem-Estar Familiar no Brasil . Tel.: 55 21 3861 2400 . Fax: 55 21 3861 2469 Av. República do Chile, 230/17 andar . 20.031-170 . Centro . Rio de Janeiro - RJ

O aborto e sua legalização

Prof. HUMBERTO L. VIEIRA Presidente da PROVIDAFAMÍLIA O tema comporta uma análise sob vários aspectos: aspectos éticos, morais, aspectos científicos, jurídicos, teológicos e sobretudo aspectos políticos. Discutir sobre o início da vida, quando começamos a existir, se a mulher como dona de seu corpo tem direito de abortar, se o nascituro tem direitos etc são aspectos já bastante discutidos. Que o início da vida começa na concepção já é pacífico e aceito pelos defensores da vida, pela ciência e até mesmo pelos que defendem a legalização do aborto. A afirmação de que a mulher é dona de seu corpo e, portanto, teria direito a abortar, também não tem sentido quando se reconhece que o feto é um outro indivíduo e não faz parte do corpo da mulher. Por isso, apreciarei o tema sob o aspecto político, muito pouco debatido e quase nunca apresentado em debate público. Tendo em vista que o ambiente universitário propicia esse tipo de abordagem, nos pareceu oportuno apresentar o que está por trás da legalização do aborto sem nos preocupar em analisar os aspectos jurídicos, o ponto de vista religioso ou mesmo conceitos biológicos relacionados ao início da vida humana. O problema da legalização do aborto se insere num contexto bem mais amplo que a simples discussão desses aspectos.
LEIA MAIS:

14 de novembro de 2007

Jerry C - Canon rock

Guitarrista criativo e talentoso. Melhor que a versão melosa do Trans Siberian Orchestra, comandada por Oliva, líder do saudoso Savatage

Canon rock versão de Jerry C, acompanhada com esse tecladinho de brinquedo, bacana!

Esse povo da Coréia, China, Japão... é completamente obcecado por Pachelbel. Não é pra menos, Canon in D Major é um verdadiro hit barroco. Não pense, contudo, que a obra de Pachelbel se reduz a Canon, que, por si só, já o coloca nas alturas e é, sem a menor dúvida, uma da composições mais bonitas da música erudita.

13 de novembro de 2007

Como faturar aquela gostosinha que fica falando merda em centro acadêmico

Lucia Stumpf - stumpfenda ou stumpfida?
OLHA A ESQUERDOPUTINHA QUE CÊ TÁ PERDENDO, MEU! ESCUTA O REFRÃO: "En su chica fogosa y caliente, mi comandante, chegue vara"

TCHÊ, QUE BUMBUM DA GISELE BÜNDCHÊ! Cê chega nela com um exemplar da revista Caros umbigos, puxa uma conversinha mole sobre as crises cíclicas do capitalismo ou a má compreensão pelos economistas neoliberais do conceito marxiano de mais-valia (é, tem que falar bonito, meio culturete) e aproveita pra meter o pau no Diogo Mainardi(ele mesmo, sem dó nem piedade), mas sempre lhe dando atenção, fazendo alguns elogios a sua beleza e senso crítico e, obviamente, concordando com tudo que ela disser (se possível, uns versinhos de Chico Buarque, alguma referência a Neruda e uns baseados vão bem). Aí, depois que vc. perceber que a esquerdoputinha se convenceu de seu alto nível de consciência política e sua polidez e firmeza na defesa dos oprimidos(isso pode ser aferido pelos biquinhos dos peitos apontando em riste na sua cara, os quais sempre ficam destacados por debaixo da indefectível camiseta vermelha com a foto do Che Guevara ou quase pulando fora da bata hiponga de viscose), vc. manda: e aí mina, já que temos que expropriar a burguesia dos meios de produção, que tal começarmos la revolucion com vc. compartilhando comigo os seus meios de reprodução? É batata!

Vc. acha difícil enfiar sua foice na vermelhinha dela desse jeito? Não confia muito no seu taco, né? Pensa que a pevertidazinha vai te humilhar, vendo logo que vc. é um tímido e ingênuo nerd, muito provavelmente virgem? Larga mão de ser bunda-mole! Como diria Brian, olhe sempre o lado bom da vida, não seja um reaça onanista e frustrado, aja! E lembre-se de que esquerdoputinhas nunca dão pros cumpanheiro ingajado (aliás, o problema dos panacas do pt, pstu, psol e outras agremiações de eunucos pouco afeitos a banho é puramente sexual; essa turma não come ninguém e não tem dinheiro nem mesmo pra frequentar o baixo meretrício):las chicas casaderas perdieron el juicio, pero non la autoestima y la voluptuosidad.

SIGA O EXEMPLO E AS SÁBIAS PALAVRAS DE CHÊ

Hay que endurecerse, pero sin follar la muchacha, jamás! . “A única coisa em que acredito é que precisamos ter capacidade de foder as mulheres reacionárias com baseados e um espesso e gosmento esperma ou, senão, deixar que as mulheres se amassem entre si. Mulher que precisamos foder na porrada é mulher que só de sacanagem não quer dar para nós. Não é possível foder as mulheres na porrada e é isso precisamente que mata a virilidade e nos deixa impotentes...”

“Que importam os testículos ou os orifícios de um homem ou de um corno, quando está em jogo a xoxota de uma beldade.” Por ocasião do clip de Nathalie Cardone (pelo visto, uma necrófila) no You tube, manifestações homoeróticas de muchachos alegres e insinuações indecentes de muchachas sedentas de sexo que sabem o que é o verdadeiro amor guerrilheiro, a contudência da penetração vermelha do charuto cheguevariano em Cuba, a qual ficou livre da dita(pero non mucho)dura de Fulgêncio Batista (e tudo isso cerca de 5 anos depois de, por intermédio de seu Nico López em Mexico, Chê encontrar-se clandestinamente com os irmãos Castro): Andrew4d (2 hours ago) En cuba se vive bien, yo he vivido ahi durante 5 años y es de lo mejor, los medios siempre distorsionan la realidad daoscc (6 hours ago) arriba la revolucion la anarquia el pueblo rebelde ante sus oprimidores abajo el imperialismo yanqui abajo los tercer mundistas abajo toda esa gente de mierda que quiere acabar con la humanidad arriba la ideologia la fuerza de seguir adelante ARRIBA EL COMANDANTE CHE GUEVARA!! MikiAnarchoPunk (16 hours ago) Hasta siempre compagni! Renny89 (1 day ago) HASTA SIEMPRE COMANDANTE!!! chettia80 (1 day ago) che guivara restera toujours un héro ... tania067 (2 days ago) que viva el guevarismo, que viva el comandante y las mujeres haciendo la revolucion kattkoutt (2 days ago) Guevara we will never forger you we still remember you here in lebanon where the islamic resistence against israel lw62005 (1 week ago) Much love to the great Ernesto "Che" Guevara. We will never forget him and his comrades who tried to liberate Africa. We stand in complete solidarity with our Latino brothers and sisters and all oppressed people of the world. All power to the people.

11 de novembro de 2007

Esquerdopatia jurídica: corromper o direito natural para poluir a constituição.

Parte 1- O jus-naturebismo do advogado de porta de cadeia. Como uma espécie de homem-gabiru da Internet, lá estou varando a noite (escapadinha sorrateira para burlar minha dieta mental) a fim de coletar alguma coisa intelectualmente nutritiva nesse gigantesco depósito de lixo informativo que é o Google, no qual, felizmente, também se podem encontrar inúmeras iguarias de primeira linha. Deparo-me com dois aparentemente deliciosos artigos, cuja leitura me causou uma baita infecção cerebral, levando-me, inclusive, a ter convulsões.
Depois de tomar alguns eficazes laxativos (o capítulo de Intelectuais do Paul Johnson dedicado a Russeau e o capítulo 3 da primeira parte de Imagem proibida de Alain Besançon), debruço-me novamente sobre esses estrupícios esquecidos pela vigilância sanitária para, devidamente imunizado, submeter à análise laboratorial os seus ingredientes conceituais e a receita silogística com base na qual eles foram assados no fogo de Prometeu. Logo de saída, percebi que ambos são produtos da famosa cozinha esquerdopata, que, de uns tempos pra cá, vem tendo grande popularidade e aceitação em restaurantes universitários e fast-foods jornalísticos. Os chefs Fábio Konder Comparato e Enéas Castilho Chiarini Júnior, ao que parece, gastaram vários pacotes de sopa de letrinhas só para dar nome aos seus respectivos pratos: “Brevíssima nota sobre a constitucionalidade da reserva de cotas para o ingresso de negros na Universidade” e “Sistema de cotas para negros e pardos: hipótese de exclusão de benefício incompatível com o princípio da isonomia”A proposta jurídico-culinária aí é clara: reciclagem hermenêutica de “direito achado na rua”*, isto é, de lixo ideológico deixado nos acampamentos do MST, para justificar o regime de cotas raciais com base na constituição federal. Vou me limitar ao exame do primeiro, que é mais light, e eventualmente me referir ao segundo, que é uma verdadeira moqueca de ostra com camarão estragado.
Comparato inicia o texto como esses garçons de churrascaria, tentando empurrar farofa, arroz e legumes, de modo que o cliente fique com o bucho cheio e coma pouco ou nada da picanha ou, neste caso, de um mísero churrasquinho de carne de gato em estado de putrefação:"O sistema constitucional brasileiro não compreende apenas o princípio da igualdade formal ou isonomia, mas também o da igualdade substancial de condições de vida. Os pressupostos de fato na aplicação de um e outro desses princípios fundamentais são, como se sabe, opostos. Assim, enquanto a isonomia ou igualdade perante a lei supõe, para ser aplicada, a inexistência de desigualdades e diferenças relevantes de condição de vida entre pessoas ou grupos sociais, a igualdade aplica-se, exatamente, quando existem tais desigualdades ou diferenças." Leia mais: aristokraut ii: Esquerdopatia jurídica: corromper o direito natural para poluir a constituição.

10 de novembro de 2007

O que há de errado em amar ao próximo como a ti mesmo e a Deus sobre todas as coisas?

Introduction
THIS BOOK CHRONICLES discrimination against Christians in American society. While tolerance is touted as the highest virtue in our popular culture, Christians are often subjected to scorn and ridicule and denied their religious freedoms. In no way does this book mean to imply that other groups are not subjected to discrimination or to deny the seriousness of that discrimination. The difference, however, is that it seems that when other groups (or individuals from those groups) experience discrimination or mistreatment the popular culture properly decries it. But when it comes to anti-Christian discrimination, the culture's attitude seems to be, "Yes, please do shut up those Bible-thumping idiots!" Anti-Christian discrimination occurs in a variety of contexts throughout our culture, from the public sector to the private sector, in the mainstream media and in Hollywood, in the public education system and in our universities. Often the discrimination comes from activist judges misinterpreting the law (the hostility to Christian religious freedom infects our judiciary as much as anywhere else); other times it comes from entities misapplying the law. It also comes from what we call "political correctness." The discrimination mostly stems from a hostility to Christianity and from rampant disinformation in our society about what the Constitution actually requires in terms of the so-called "separation of church and state." Though there is a significant body of law safeguarding religious liberties, the law is not always followed-even when the courts interpret it correctly (in accordance with the framers' original intent). Now, it is also true that though the courts, including the Supreme Court, have often ruled directly against the obvious original intent of the Constitution, I can't always say their rulings are unconstitutional. Why? Because the law is what the highest court says it is. Even if it's wrong, the court is the final arbiter. What I can say is that these rulings ought to be seen by the Court as unconstitutional. This highlights why the appointment of Supreme Court justices and other appellate judges who hold to the original intent of the Constitution is so vital to the preservation of our liberties. When we cast our ballots for politicians, we should think about that. Anti-Christian discrimination in our society is getting more blatant and more widespread every day. The cultural assumptions of our society influence changes in the law, and the culture is moving against the public expression of Christian belief. The famous prayer case we discuss later, Engel v. Vitale (1962), could not have occurred at any other time in our history. And since 1962, the wedge of secularism against the public expression of Christianity has been driven much, much farther. The fundamental issue, as mentioned earlier, is that people freely throw around phrases, such as the "separation of church and state," without understanding their true meaning, especially under the Constitution as originally written. So let's establish a few basic facts. First, we must recognize that the framers believed that religious freedom was of paramount importance; it was a primary reason for emigration to America. Religious freedom was so important to them that they sought to guaranty it by the placement of two separate clauses in the very first amendment to the Constitution. The First Amendment begins with the two clauses back to back: "Congress shall make no law respecting an establishment of religion, or prohibiting the free exercise thereof . . .” The first clause is known as “The Establishment Clause" and the second, the "Free Exercise Clause. You'll note there is no language in either-or anywhere else in the Constitution-mandating a wall of separation between church and state. That phrase, as we'll see in Chapter One, comes from a letter of Thomas Jefferson, several years after the Constitution and Bill of Rights were well in place. Moreover, the phrase has been taken out of context, distorting what Jefferson meant. Nevertheless, those advocating a strict separation (often referred to in this book as "separationists"), point to the "Establishment Clause” as evidence the framers intended a strict separation. But it's important to understand that both clauses, the establishment Clause and the Free Exercise Clause, were adopted by the framers for the explicit purpose of promoting, not suppressing religious freedom. That may be obvious with the Free Exercise Clause-its literal language says as much-but people tend to overlook it with the Establishment Clause. The purpose of the Establishment Clause was to prevent the federal government from establishing a particular denominational religion that would serve to inhibit our religious freedoms; it was not intended to keep Christianity out of the public square. Yet today the Establishment Clause is routinely used to suppress people's free exercise rights of religion in our schools and in public life. Of course, one of the problems of applying original intent analysis to these issues is that the relationship between government and education today is radically different from how it was at the time of the nation's founding. In the first place, the Establishment Clause only restricted the federal government, not the states. Its language makes that quite clear, "Congress shall make no law..." At the time of the ratification of the First Amendment, many states in fact had state-established religions. There is no better evidence-besides its plain language-that the Establishment Clause was never intended to prevent state governments from establishing their own religions. Again, the language of the clause is instructive. "Congress shall make no law respecting an establishment of religion." That clearly meant that the federal government was precluded from establishing a national religion, but also that the federal government was precluded from interfering with the right of individual states to do as they pleased respecting the establishment of their own religions. Later, of course, the Fourteenth Amendment was ratified and the Supreme Court, in a series of abhorrent decisions we will discuss later, ruled that the First Amendment Establishment Clause was applicable to the states through incorporation in the Due Process Clause of the Fourteenth Amendment. While there is no question that these decisions were gross examples of judicial activism and that the Fourteenth Amendment was never intended to constitute a federal restriction on the state's right to establish a religion, these precedents are now the law of the land. Worse, though, is that as government has grown, so too have its restrictions on the free exercise of religion. The courts say that public schools, because they are partially funded by federal money (First Amendment) and because they are predominantly funded by state money (Fourteenth Amendment) cannot engage in activities that are deemed an endorsement of a religion. Just the slightest nod to a religion will be enough to trigger an Establishment Clause violation. As we'll see, many schools and courts take this to absurd extremes, and to get to these absurd extremes they have had to torture the original intent of the Constitution. Indeed, we should remember that when the Constitution was written, Christian religious instruction was the primary purpose of education. To the extent that we can imagine public schools being endorsed by the founders, we can be certain that they would not have objected to religious instruction, but would have insisted on it. If the founders could have anticipated that our schools would become a government near-monopoly and that the Establishment Clause would be stretched beyond recognition to prohibit Christian instruction, I think it's safe to say they would have opposed public education altogether. We all know the framers were among the wisest men in history. Ignoring their original intent for the First Amendment of the Constitution, as we shall see, has already had alarming consequences for our precious freedoms. And unless we do something about it, it's going to get worse, seriously worse.

9 de novembro de 2007

Pérolas do bobesponjismo

O bobesponjismo é uma vertente do pensamento contemporâneo segundo a qual trabalhar com prazer e entusiasmo, sem ficar o tempo todo reclamando do salário, cultivar o bom humor e a política da boa vizinhança entre colegas e clientes, assim como cumprir os deveres profissionais e tratar todos, independentemente de sua condição social, com cortesia e respeito, constituem-se no aporte ideológico da estratégia mais sórdida já imaginada para persuadir as crianças de que é possível ser pobre (materialmente falando) com honestidade e honradez.
De acordo com o proponente dessa filosofia, Sir Wilker de Jesus Lira (errata: perdoem-me os paraenses, mas o nosso Nietzsche da transvaloração infantil é do Amapá), todas as crianças são vítimas indefesas da "ideologia capitalista", que se serve da propensão lúdica delas para transformá-las em perfeitos trabalhadores fordistas. Lembrem-se, pais, se seu filho ficar esperneando num Shopping Center por causa de um Big Mac ou um Playstation, a culpa é daquela esponja quadrada que habita o fundo do mar. Muito cuidado, mas muito cuidado mesmo, pais, porque este e outros aparentemente ingênuos desenhos animados podem, no futuro, levar seu filho a ser um mega-investidor da bolsa de Nova York, retribuindo-lhes o amor e a educação proporcionados, com um conforto que vocês nunca sonharam alcançar, quando, todos sabem (né, Wilker?), os pais querem mesmo é que os filhos passem num concurso do Banco do Brasil, tornem-se líderes sindicais e, quem sabe, cheguem à presidência do país ou, pelo menos, façam parte do alto escalão do PT.
Eis um pequeno excerto da obra capital de Wilker de Jesus Lira, onde se pode observar uma fina aplicação do método dadá-dialético e pedierístico da filosofia bobesponjista:
"Bob Esponja nunca reclama dos salários, a não ser quando é incitado a isso por Lula Molusco. No episódio Squid´s Strike, Bob chega a pagar a seu Sirigueijo para trabalhar. Em um outro episódio chamado Just one bite – só uma mordidinha - (HISTÓRIAS... 2003) Bob chega às 3 da manhã para trabalhar; Lula Molusco, que se encontrava lá na esperança de comer um hambúrguer escondido de Bob Esponja, pergunta a ele o que estava fazendo ali e Bob responde que sempre chegava para trabalhar aquele horário. Fica evidente aí a dedicação de Bob Esponja Calça-quadrada ao trabalho, dedicação esta, independente do que recebe para trabalhar; também fica evidente sua admiração pelo chefe. Que capitalista rejeitaria um empregado como Bob Esponja? Ele jamais se importaria em não receber salários, seu prazer é o trabalho e nele estaria dedicado 24 horas por dia se fosse necessário. A hora de começar a trabalhar é o momento mais feliz para ele. Quando o dia acaba, ao contrário, é o momento mais triste, já que tem que parar de trabalhar, como se vê em sua fala no episódio Sirigueijo nasce de novo: “Hora de fechar, a hora mais triste do dia.” (HISTÓRIAS... 2003). Ou no episódio Como na TV (O NATAL... 2002), ao acordar: “Hora de fazer a minha coisa predileta no meu local predileto.” Sua coisa predileta é o trabalho de fazer hambúrgueres e seu local predileto é o local de trabalho. Bob Esponja é feito para ser engraçadinho, para cativar as crianças, é com ele que elas tendem a se identificar, é a ele que elas tendem a imitar; ele e seu jeito de ser, sua dedicação ao trabalho, sua dedicação ao patrão capitalista. Por outro lado, Lula Molusco, o vizinho de Bob Esponja e também é seu colega de trabalho, é uma espécie de antagonista de Bob. Lula é o caixa da Lanchonete, enquanto Bob Esponja está sempre de bom humor, comemora até mesmo as desgraças, Lula sempre está reclamando de tudo, não trabalha nada além do estritamente necessário e faz de tudo para viver longe de Bob Esponja. Lula molusco toca clarineta, mas é um péssimo músico, seus acordes são sempre desafinados. Às vezes toca bem, mas quando isso acontece, logo descobre-se que estava apenas fingindo tocar enquanto um disco com a música verdadeira faz soar a melodia perfeita (O NATAL de Bob Esponja, 2002). Ele não chega a ser um vilão, mas foi criado para ser tudo aquilo que Bob Esponja não é. Despreza o trabalho e só faz o estritamente necessário, recusase a servir os clientes após o horário do expediente e está sempre reclamando dos salários. Lula Molusco também é o personagem criado para que as crianças não se identifiquem com ele: “Lembre-se, nenhum empregado quer ser o Lula Molusco.” (VIDEO de treinamento do Siri Cascudo). O antagonismo entre os personagens fica evidente o tempo inteiro. Da parte de Bob Esponja, este está sempre procurando agradar a Lula Molusco, sempre o chama de amigo; entretanto, Lula Molusco faz questão de deixar em evidência seu desprezo por Bob Esponja, sempre procurando fugir dele em suas horas de folga. Entre esses dois personagens, fica evidente que Bob Esponja é o personagem ideal para que as criancinhas se identifiquem com ele; enquanto Lula Molusco é feito para que as crianças não o queiram imitar, pois não é só o fato de ser um empregado não dedicado, mas ele também é um personagem criado para parecer chato, é como o Gastão das histórias de Disney, e a respeito dele, dizem Dorfman e Mattelart (1980, p. 98) “o repúdio que o leitor sente por Gastão, e a simultânea fascinação, servem para ensinar a necessidade do trabalho para ter direito ao divertimento e o repúdio aos jovens (norte-americanos do após-guerra que conseguiram tudo sem esforço e nem sequer sabem agradecer).” Também é evidente o repúdio que as criancinhas sentirão por Lula Molusco, entretanto, mesmo sendo chato, mesmo sendo o personagem que com o qual as crianças não se identificarão; Lula Molusco trabalha, cumpre as ordens do patrão, apenas não o faz com prazer, mas o faz." (O merchandising..., pp 24-25)

8 de novembro de 2007

New age na perspectiva cristã

Documento da cúria romana intitulado "Jesus Cristo portador da água da vidad: uma reflexão cristã sobre a ´Nova Era`" Link no título desta postagem

O monstro da mitologia latino-americana:"decifra-me ou censuro-te"

Para quem tiver dúvidas sobre a existência e o propósito do Fórum de São Paulo assim como sobre a paternidade de Hugo Chavez e o futuro sombrio que nos espera, não é preciso recorrer ao oráculo de Delfos: a esfinge da comunidade esotérica instalada no palácio do Planalto lança o enigma: "Foi assim que nós, em janeiro de 2003, propusemos ao nosso companheiro, presidente Chávez, a criação do Grupo de Amigos para encontrar uma solução tranqüila que, graças a Deus, aconteceu na Venezuela. E só foi possível graças a uma ação política de companheiros. Não era uma ação política de um Estado com outro Estado, ou de um presidente com outro presidente. Quem está lembrado, o Chávez participou de um dos foros que fizemos em Havana. E graças a essa relação foi possível construirmos, com muitas divergências políticas, a consolidação do que aconteceu na Venezuela, com o referendo que consagrou o Chávez como presidente da Venezuela. Foi assim que nós pudemos atuar junto a outros países com os nossos companheiros do movimento social, dos partidos daqueles países, do movimento sindical, sempre utilizando a relação construída no Foro de São Paulo para que pudéssemos conversar sem que parecesse e sem que as pessoas entendessem qualquer interferência política. Foi assim que surgiu a nossa convicção de que era preciso fazer com que a integração da América Latina deixasse de ser um discurso feito por todos aqueles que, em algum momento, se candidataram a alguma coisa, para se tornar uma política concreta e real de ação dos governantes. Foi assim que nós assistimos a evolução política no nosso continente."
Link para o oráculo, clicando no título desta postagem.

Pânico na tv

9 de Novembro de 2007, 1:30 da madrugada. Meio sonolento, acabo de assistir ao filme "Floresta do mal", trash sobre um reality show cujos participantes são vítimas de uma família de canibais, sangue espirrando pela tela do televisor. Sintonizo o canal 7, Record News, reportagem sobre a Mongólia, ouço o seguinte comentário: "Os mongóis concebem o homem como parte da natureza. Eles não tem a noção de propriedade. Os nômades, quando a terra se esgota e a caça se esvai, recolhem seus pertences e vão para outro lugar". Perco a vontade de dormir, tomo o comprimido de cloridrato de paroxetina que havia esquecido e, sem medo, me recolho a minha vil insignificância.

Dez princípios conservadores

Traduzido pelo Padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr., o artigo de Russel Kirk que ora reproduzimos deixa bastante claro que conservadorismo não é uma corrente política, entre outras, ou pano de fundo ideológico de quem se beneficia com o status quo, nem mesmo um posicionamento puramente teórico refratário a toda e qualquer mudança. Conservador é, antes de mais, a qualificação de "um estado da mente, de um tipo de caráter, de uma maneira de olhar para a ordem social civil" ou, para falar em termos estritamente antropológicos, a característica da alma perfeitamente ordenada, à qual se contrapõe o tipo esquerdopata, que pensa que o máximo de liberdade a que pode aspirar o ser humano é o "direito" de subverter os costumes dos povos e os princípios consubstanciados na tradição ocidental (judáico-cristã e grega), substituindo-os pelos seus mais pueris e insanos caprichos, em geral forjados a partir de torpes modismos intelectuais. Se o conservador sabe que o real é o cosmos, no qual somente cada coisa determinada tem o seu lugar e em referência ao qual os entes, tal como são em si, se manifestam ao conhecimento humano, o progressista aposta todas as fichas no caos, isto é, no retraimento do próprio horizonte do ser e, por conseguinte, na indiferença ontológica de todas as coisas, a começar do proposital obscurecimento dos valores morais, isto é, da linguagem consuetudinária em que se expressa a infalível capacidade humana de distinguir o certo e o errado na conduta. Este nega a transcendência ou, ao menos, a reduz aos mais prosaicos, mesquinhos e efêmeros ideais humanos; aquele percebe, de maneira imediata e luminosa, que o princípio da ordem do ser (a verdade), sendo mais cognoscível por natureza, porém menos para o homem, é imutável e aponta para o divino em nós. Um se conduz resolutamente sempre em vista da perfeição (reflexo da ordem cósmica em sua alma), com olhar fixo na verdade, no bem e na beleza; o outro, típico espírito de porco, que nivela tudo por baixo, sofre com a impassibilidade das almas nobres diante dos revezes da fortuna, desejando ardentemente que elas, de uma vez por todas, sucumbam ao inimigo na eterna e gloriosa luta para atingir a sabedoria e a santidade de que um mortal é capaz. Em suma, onde o inquieto progressista vê um "mundo", mecanicamente estruturado e repleto de possibilidades, entre as quais ele transita, in abstracto, sem se apegar a nenhuma delas ( daí sua absoluta falta de responsabilidade), o conservador vê um cosmos - o lógos por força do qual somente as coisas (pragmata) se desvelam (aletheia) em sua essência (ousía) à percepção humana (nous) -, de cujas leis imutáveis procura, humildemente, extrair as diretrizes de sua vida, material e espiritual. PS: A despeito dos eventuais equívocos e do inegável déficit intelectual deste blogueiro, que o leitor consciencioso pode bem corrigir, permanece a minha inamovível decisão de, através de tudo o que for postado aqui, expressar o meu sentimento de repulsa perante a maior doença espiritual de todos os séculos, a esquerdopatia, antes que, vaidosamente, dar sinais de erudição. aristokraut ii: Dez princípios conservadores

7 de novembro de 2007

BLUE ÖYSTER CULT - Joan Crowford

JOAN CRAWFORD ( - A. Bouchard - D. Roter - J. Rigg - ) Junkies down in Brooklyn are going crazy They're laughing just like hungry dogs in the street Policemen are hiding behind the skirts of little girls Their eyes have turned the color of frozen meat No, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no Joan Crawford has risen from the grave Joan Crawford has risen from the grave Catholic school girls have thrown away their mascara They chain themselves to the axles of big Mac trucks The sky is filled with herds of shivering angels The fat lady laughs, "Gentlemen, start your trucks" Oh no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no Joan Crawford has risen from the grave Joan Crawford has risen from the grave Christina Mother's home Christina Come to mother Christina No, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no Joan Crawford has risen from the grave Joan Crawford has risen from the grave Joan Crawford has risen from the grave Joan Crawford has risen

Elvis is not death, he´s "always on my mind"

Charlie Daniels Band, Deus os abençoe

God Bless the Mother LyricsArtist(Band):The Charlie Daniels Band Review The Song (1) Print the Lyrics God Bless the Mother Who brought up her baby boy To believe that some things in this world Are worth fighting for The ones who raise the brave young men Who're marchin' off to war God Bless the Mother God Bless the Father Who taught his little girl Freedom is a precious thing And it's rare in this old world The ones who wear their uniforms Their land they proudly serve God Bless the Father [Chorus] Christmas is a special time When we want our loved ones near There's a lot of lonesome homesick soldiers Wishin' they were here Lets say a prayer to the Lord Above That they'll all be home next year And the bells of Peace Will Ring in the Holiday God Bless America We thank for the USA We thank you for the Prince of Peace Who was born on Christmas Day And please protect our sons and daughters In the land so far away God Bless America [Bridge] [Chorus] [Repeat third verse] God Bless the Fathers God Bless the Mothers =========================== Jesus Is the Light of the World Lyrics Artist(Band):The Charlie Daniels Band Review The Song (0) Print the Lyrics On a clear night, many many years ago Two weary strangers moving slow Were looking for a place to stay But there was no place Though they traveled many miles So Mary being great with Child Lay down on the sweet smelling hay. Then a bright light fell from heaven As a special star shone bright And three wise men from a foreign land Came to worship him that night And in the clear night you could hear the angels sing Praises to the newborn King Jesus is the light of the world. And the angels heralding the Holy Birth Were singing Peace to men on Earth Unto you is born a Son And the shepherds Though they had their flocks to tend Journeyed unto Bethlehem To behold the Holy One And then the Boy grew up to be a Man Come to set the captives free Come to heal the sick and raise the dead And to cause the blind to see And the best part is even though He's gone away He'll be coming back someday Jesus is the Light of the world. And the best part is even though He's gone away He'll be coming back someday Jesus is the Light of the world. Jesus is the Light of the world. Jesus is the Light of the world. ================================= Jesus Died For You Lyrics Artist(Band):The Charlie Daniels Band Review The Song (0) Print the Lyrics INTRO SOLO A E You may be down, you may be out Fm E D With nothing to be glad about A E But you can stand right up and shout D E 'Cause Jesus died for you A E You may think that you can't cope Fm E D You may be drunk or hooked on dope A E Believe me brother, you've still got hope D A 'Cause Jesus died for you Maybe you ain't got a dime You're standing in the welfare line Or maybe you're in prison doin your time But Jesus died for you Satan may have you in retreat But you won't go down in defeat 'Cause you can sittin in the mercy seat 'Cause Jesus died for you FIRST CHORUS E D A He died for you - to complete salvation's plan E D A He died for you - He's got nail scars in His hands E A C#m He bore the cross - to sanctify the lost B All you've got to do is believe it, E Get down on your knees and receive it! You may think you're too far gone You've sinned so bad you can't atone But bow your head and come on home 'Cause Jesus died for you SHORT SOLO This ol' world keeps falling apart But you don't have to let it break your heart You can make a brand new start 'Cause Jesus died for you Now Satan is a mighty foe But just stand firm because you know You've got a better place to go 'Cause Jesus died for you When there's trouble in the wind Or when you face the bitter end You can start all over again 'Cause Jesus died for you You can face death with a smile Laugh at all your troubles and trials Never have to walk another lonely mile Jesus died for you! SECOND CHORUS He died for you - to break the devil's hold He died for you - to redeem your mortal soul Don't be afraid - 'Cause you debt has done been paid You just come and do your best -- The Holy Spirit's gonna do the rest! SOLO REPEAT FIRST CHORUS Makes no difference how wrong you've been How heavy is your load of sin The door's still open come on in 'Cause Jesus died for you Now you may think you're too far gone You've sinned so bad you can't atone But bow your head and come on home 'Cause Jesus died for you D A Jesus died for you D A Jesus died for you END SOLO

Charlie Daniels Devil Came Down to Georgia

Lyrics Artist(Band):The Charlie Daniels Band Review The Song (2) Print the Lyrics Send polyphonic ringtone to your cell phone The devil went down to Georgia He was lookin' for a soul to steal He was in a bind 'Cause he was way behind And he was willin' to make a deal When he came across this young man Sawin' on a fiddle and playin' it hot And the devil jumped up on a hickory stump And said boy let me tell you what I guess you didn't know it but I'm a fiddle player too And if you care to take a dare I'll make a bet with you Now you play a pretty good fiddle,son But give the devil his due I'll bet a fiddle of gold Against your soul 'Cause I think I'm better than you The boy said my name's Johnny And it might be a sin But I'll take your bet And you're gonna regret 'Cause I'm the best there's ever been Johnny rosin up your bow and play your fiddle hard Cause hell's broke loose in Georgia and the devil deals the cards And if you win you get this shiny fiddle made of gold But if you lose the devil gets your soul. [Instramental] The devil opened up his case And he said I'll start this show And fire flew from his fingertips As he rosined up his bow Then he pulled the bow across the strings And it made an evil hiss And a band of demons joined in And it sounded something like this [Instrumental] When the devil finished Johnny said well you're pretty good old son But just sit down in that chair right there And let me show you how it's done Fire on the Mountain Run boys, run The devil's in the House of the Rising Sun Chicken in a bread pan picken' at dough Granny does your dog bite No child, no [Instrumental] The devil bowed his head Because he knew that he'd been beat And he laid that golden fiddle On the ground at Johnny's feet Johnny said, Devil just come on back If you ever wanna try again I told you once you son of a bitch I'm the best there's ever been And he played Fire on the Mountain Run boys, run The devil's in the House of the Rising Sun Chicken in a bread pan picken' at dough Granny will your dog bite No child, no [Instrumental to end]

Charlie Daniels Band - Devil Came Down to Georgia

The devil went down to Georgia He was lookin' for a soul to steal He was in a bind 'Cause he was way behind And he was willin' to make a deal When he came across this young man Sawin' on a fiddle and playin' it hot And the devil jumped up on a hickory stump And said boy let me tell you what I guess you didn't know it but I'm a fiddle player too And if you care to take a dare I'll make a bet with you Now you play a pretty good fiddle,son But give the devil his due I'll bet a fiddle of gold Against your soul 'Cause I think I'm better than you The boy said my name's Johnny And it might be a sin But I'll take your bet And you're gonna regret 'Cause I'm the best there's ever been Johnny rosin up your bow and play your fiddle hard Cause hell's broke loose in Georgia and the devil deals the cards And if you win you get this shiny fiddle made of gold But if you lose the devil gets your soul. [Instramental] The devil opened up his case And he said I'll start this show And fire flew from his fingertips As he rosined up his bow Then he pulled the bow across the strings And it made an evil hiss And a band of demons joined in And it sounded something like this [Instrumental] When the devil finished Johnny said well you're pretty good old son But just sit down in that chair right there And let me show you how it's done Fire on the Mountain Run boys, run The devil's in the House of the Rising Sun Chicken in a bread pan picken' at dough Granny does your dog bite No child, no [Instrumental] The devil bowed his head Because he knew that he'd been beat And he laid that golden fiddle On the ground at Johnny's feet Johnny said, Devil just come on back If you ever wanna try again I told you once you son of a bitch I'm the best there's ever been And he played Fire on the Mountain Run boys, run The devil's in the House of the Rising Sun Chicken in a bread pan picken' at dough Granny will your dog bite No child, no [Instrumental to end]

Megadeth e a Organização dos Neoterroristas Unidos, vulgo ONU

Tive a oportunidade de ouvir rapidamente, junto com meu amigo Igor (fiel escudeiro do bom e velho metal), algumas faixas do album United Abominations do Megadeth. Esta banda, ao contrário do Metallica, do qual David Mustaine foi expulso por causa de seus problemas com drogas, nunca me decepcionou, ao menos do ponto de vista musical. Mas que a conversão de Mustaine ao cristianismo ( tal como Alice Cooper) viesse a transformá-lo num fino observador da geopolítica atual, isto estava muito além da minha imaginação e das minhas expectativas. United Abominations poderia muito bem ser comercializado num mesmo pacote com L’Empire écologique ou la subversion de l’écologie par le mondialisme (ver posts anteriores). Aliás, não seria má idéia o Pascal Bernardin se integrar à banda como letrista e dar um reforço erudito às sacadas de Mustaine. Acrescentem a isso o ódio da banda Slayer ao bosta do Al Gore e me digam se essas mentes esquerdopatas têm razão ao insistirem na acusação de que o heavy metal é, irremediavelmente, destituído de cérebro! Som na caixa e mande a ONU às favas United Abominations (Music and Lyrics Dave Mustaine) Less than five miles from Ground Zero sits an international hotbed, the United "Abominations" as it were. Created to prevent wars and promote peace, it failed to address the most dangerous threats facing the world. In a mire of hypocrisy, bribes, kickbacks, and corruption, the U.N. enables terrorism, and ignores sex crimes by its peacekeepers. The U.N. is where our so-called allies undermine us, and we pay 22% of their tab to host our enemies here at home. Ambassadors from dirt-poor countries enjoy luxurious, tax-free Manhattan lifestyles, turning children into sex-slaves and enjoy Diplomatic immunity. It's a complete and utter disgrace, a blot on the face of humanity, and they get away with it. Poverty in their kitchens Held hostage by oil-for-food Yet their own plates are full off the fat of their lands There's no blood on their hands, right Kojo? They promised to tell the truth Without leaving a fingerprint, but They will lose the U.N. one way or another The victim, I fear will be us, sisters and brothers The U.N. is right; you can't be any more "un" Than you are right now, the U.N. is undone Another mushroom cloud, another smoking gun The threat is real, the Locust King has come Don't tell me the truth; I don't like what they've done It's payback time with the United Abominations A grave and gathering danger The decision to attack Based on secret intelligence it'll take years I fear to undo the failings in Iraq You may bury the bodies [United Abominations lyrics on http://www.metrolyrics.com] But you can't bury the crimes only Fools stand up and really lay down their arms No, not me, not when Death lasts forever The U.N. is right; you can't be any more "un" Than you are right now, the U.N. is undone Another mushroom cloud, another smoking gun The threat is real, the Locust King has come Don't tell me the truth; I don't like what they've done It's payback time with the United Abominations "The U.N. writes resolution after resolution and has become irrelevant through inaction and totalitarian paralysis," "Order, Order!!!" "Ha! There is no such thing as order" "Larry, it's true, reports confirm today that the United Nations has officially closed its doors forever," "Well, I just don't see what all the fuss is, because they don't do anything anyway, do they?" The U.N. is right; you can't be any more "un" Than you are right now, the U.N. is undone Another mushroom cloud, another smoking gun The threat is real, the Locust King has come Don't tell me the truth; I don't like what they've done It's payback time with the United Abominations NATO invaded Yugoslavia to end ethnic cleansing, there was no U.N. The U.S. invaded Afghanistan after 9/11, there was no U.N. Saddam Hussein violated 17 U.N. resolutions; The U.N. was asked to join the war in Iraq. The U.S. invaded, Ha! there was no U.N. Libya bombed a discotheque in Berlin killing Americans, there was no U.N. Iran funds any terrorist organization it can, and attacked the U.S. in the seventies, there was no stinking U.N. Facing War without end, looking into the future, there was no more U.N. --------------------------------- United Abominations (Tradução) Lyrics (Megadeth) Megadeth - United Abominations (Tradução) Lyrics “A menos de 5 milhas de Ground Zero está localizada uma estufa Internacional, as Abominações Unidas estão lá. Criada para prevenir guerras e promover a paz, ela falhou ao encarar as mais perigosas ameaças que cobrem o mundo. Em um lodo de hipocrisia, subornos, reações enérgicas e corrupção, as Nações Unidas permitem o terrorismo, e ignoram os crimes sexuais feitos pelos mantenedores da paz. As Nações Unidas, que eram nossos tão chamados aliados agora nos questionam, e nós pagamos 22% da sua folha de pagamento para abrigar nossos inimigos aqui em nossa casa. Embaixadores dos paises mais pobres se divertem com a luxuria, e o estilo de vida de Manhattan, tornando crianças em escravos sexuais e utilizando de imunidade diplomática. Em uma completa e absoluta desgraça, uma mancha no rosto da humanidade, e eles carregarão isto.” Pobreza nas suas cozinhas Mantem reféns pelo oleo-para-comida Mesmo que seus pratos estejam cheios da gordura de suas terras Não existe sangue em suas mãos, certo Kojo? Eles prometeram contar a verdade Sem deixar nenhuma impressão digital, mas Eles irão perder as Nações Unidas de uma maneira ou outra As vitimas, eu temo que seremos nós, irmãs e irmãos As Nações Unidas estão certas; você não pode mais ser “anti” Então você está certo agora, as Nações Unidas destruiram Outra nuvem de cogumelos, outra arma fumando A ameaça é real, o Rei dos Gafanhotos chegou Não me fale a verdade; Eu não quero saber o que eles fizeram Somente me dê munição para as Abominações Unidas. Uma cova e a acumulação do perigo A decisão para atacar Baseada na inteligência secreta irá lever anos Eu receio em eliminar os fracassos no Iraque Você pode enterrar os corpos Mas você não pode enterrar os crimes Tolos levantem-se e seriamente abaixem suas armas Não, não eu, não quando a morte dura para sempre As Nações Unidas estão certas; você não pode mais ser “anti” Então você está certo agora, as Nações Unidas destruiram Outra nuvem de cogumelos, outra arma fumando A ameaça é real, o Rei dos Gafanhotos chegou Não me fale a verdade; Eu não quero saber o que eles fizeram Somente me dê munição para as Abominações Unidas. “As Nações Unidas escrevem resoluções atrás de resoluções e se tornaram irrelevantes através da falta de ação e paralisia totalitária” “Ordem, Ordem!!!” “Ha! Não existe nada como a ordem” “Larry, é verdade, notícias confirmam hoje que as Nações Unidas oficialmente fecharam suas portas para sempre” “Bem, eu não entendo o que toda está confusão é, porque eles não faziam nada mesmo, eles faziam?” As Nações Unidas estão certas; você não pode mais ser “anti” Então você está certo agora, as Nações Unidas destruiram Outra nuvem de cogumelos, outra arma fumando A ameaça é real, o Rei dos Gafanhotos chegou Não me fale a verdade; Eu não quero saber o que eles fizeram Somente me dê munição para as Abominações Unidas. NATO invadiu a Iugoslávia para terminar uma limpeza etnica, não existia nenhuma Nações Unidas Os EUA invadiram o Afeganistão depois do 11 de setembro, não existia nenhuma Nações Unidas Saddam Husseis violou 17 resoluções das Nações Unidas; As Nações Unidas o convidaram a se juntar a elas na Guerra do Iraque. Os EUA invadiram, ha! Não existia nenhuma Nações Unidas. Libya bombardeou uma discoteca em Berlin matando americanos, não existia nenhuma Nações Unidas. Irã custeia qualquer organização terrorista que eles podem, e atacaram os EUA na década de 70, não existia nenhuma fedorenta Nações Unidas. Encarando guerras sem fim, olhando o futuro, não há mais Nações Unidas.

6 de novembro de 2007

Quarteto Ars Plena - Telemann Trio Sonata

Albinoni - Oboe Concerto em D minor - Movimento 1

Albinoni - Oboe Concerto em D minor - Movimento 2

Albinoni - Oboe Concerto em D minor - Movimento 3

Blue Oyster Cult - Then Came Last Days of May (c/ letra)

5 de novembro de 2007

Blue Oyster Cult - Veterans of the Psych Wars